A Floresta e sua História

A Mata Atlântica é um dos cinco “hotspots” de biodiversidade mais importantes da Terra e a maior Reserva da Biosfera designada pela UNESCO, representando uma das regiões prioritárias para conservação a nível mundial. Séculos atrás, a floresta se estendia por mais de 130 milhões de hectares ao longo da costa leste brasileira, abrangendo trechos do norte da Argentina e leste do Paraguai. Hoje, no Brasil, restam apenas 7% da Mata Atlântica em bom estado de conservação, distribuído em fragmentos isolados acima de 1.000 hectares cada. Os últimos remanescentes desta exuberante floresta abrigam uma riqueza de diversidade biológica comparável à célebre Amazônia. Nos locais onde ela sobrevive, a Mata Atlântica apresenta uma das paisagens mais espetaculares da Terra, como a deslumbrante costa do Rio de Janeiro.

O desmatamento da Mata Atlântica teve início nos séculos XVI e XVII quando valiosas madeiras nobres, ideais para a construção naval e indústria moveleira, eram enviadas para a Europa. Entretanto, a maior parte do desmatamento ocorreu nos últimos cem anos. Hoje, algumas áreas de florestas ainda estão sendo derrubadas para o plantio de soja, cana-de-açúcar, pinus e eucaliptos, além da pecuária e do comércio ilegal de madeira.

A expansão das cidades e o desenvolvimento do litoral transformaram a vasta floresta na região mais densamente habitada e industrializada da América Latina. Apenas no Brasil, 70% da população -- mais de 130 milhões de pessoas -- reside na Mata Atlântica. Preservar o que resta da Mata Atlântica é uma prioridade de conservação global e um desafio urgente.